Vivências diárias nas Residências

Por considerarmos que é importante perceber como é viver em Residências Universitárias, resolvemos realizar um conjunto de entrevistas a 5 alunos, de diversas nacionalidades e alojados em diversas Residências Universitárias na Universidade de Aveiro.
Contamos assim, com várias experiências na primeira pessoa, enriquecedoras, que nos possam alertar para a realidade vivida nas mais diversas áreas da ação.
Bernardo Duarte, Rio Maior, Santarém, 4ª matrícula, 4º ano residente (R. Avenida)

1 - Viver numa residência universitária é simplesmente incrível! O facto de passarmos o nosso dia-a-dia com aquelas pessoas, faz com que se criem laços muito fortes, que encontremos ali uma nova família, faz com que encontremos ali irmãos que vão ficar para a vida.
2 - Devido ao facto de os residentes serem, geralmente, de cursos muito diferentes, permite a cada um de nós conhecer estudantes dos mais variados cursos que, provavelmente, nunca conheceríamos de outra forma, o que também é muito, muito bom!
3 – Nem tudo é fácil, como é óbvio. Estarmos a dividir espaço com tanta gente e dividir o próprio quarto, traz algum desconforto ao início, mas facilmente se ultrapassa isso. É complicado também gerir às vezes os conflitos de personalidade com os restantes residentes, porém também contribui bastante para o nosso crescimento pessoal. Resolver conflitos e criar novos valores são duas das maiores vantagens de viver em residência universitária
4 - Se me perguntassem se recomendaria um amigo a viver numa residência universitária? Eu responderia que sim. Já o fiz e por várias vezes! A família que ali encontramos facilita e muito a nossa adaptação numa primeira fase e um crescimento incrível mais tarde. E o espírito que ali se cria... Não há palavras!

Matheus Edilberto Nunes de Sá Barbosa, Salvador /Bahia, 2ª matrícula, 2º ano residente (R. Crasto)

1) Defino em uma única palavra “Desafiador”. Lida-se com pessoas com personalidades muito diferentes e distintas entre si e temos que aprender a viver com as diferenças quando se tem que partilhar espaços comuns como a sala, a cozinha e o WC. Cada um de nós lida com estes espaços como se estivesse em sua própria casa e, por vezes, a forma do outro estar choca com os nossos hábitos. Não quer dizer que essa pessoa esteja certa ou errada ou que nós é que estamos certos ou errados. Somos diferentes e tem que haver compreensão e calma para existir harmonia na residência. Cada um de nós tem por vezes que ceder um pouco para correr tudo bem.
2) Proximidade com a Universidade é a grande vantagem. O preço a pagar por viver em residência também é relevante tendo em conta o que inclui: limpeza semanal das áreas comuns, internet, espaço para estacionar junto à residência – como eu comprei um carro é bom ter um sítio junto à residência para estacionar. Por vezes na cidade aluga-se um quarto e não tem estacionamento incluído. No Crasto, onde resido, a residência é mais nova que a de Santiago, onde fiquei no verão. Talvez por isso o isolamento térmico é melhor e prefiro estar no Crasto pois não me dou muito bem com o calor e, em Santiago passei um verão horrível pois é muito quente dentro da residência.
3) Não ter privacidade é a maior desvantagem. Sempre tem que se pensar no outro antes de se fazer alguma coisa. Por exemplo, se tiver que sair da residência de madrugada penso logo que tenho que ter cuidado para não bater com a porta. Quando se pensa em fazer alguma coisa tem que se pensar se vai incomodar os colegas e esse é um problema.
4) Sim, claro que sim. Considerando tudo o que já falei anteriormente sem dúvida. As desvantagens apontadas não me impedem de indicar aos colegas para virem viver para a residência universitária.

Miguel Rosário Dias, Lagos, Faro, 4ª matrícula, 4º ano residente, (R. Bairro Santiago)

1) Para mim, que me encontro muito longe de casa e com alguma impossibilidade de ir a casa pelo menos de duas em duas semanas, a residência torna-se assim a minha segunda casa, tornando também, os meus companheiros de residência numa segunda família de Aveiro. Viver na residência tem sido uma experiência muito boa, tenho conhecido muita gente e feito bons amigos ao longo destes 4 anos. Tenho aprendido muito, com os meus colegas de diferentes cursos, como criado muitas memórias dentro destas paredes.
2) As vantagens que se pode tirar de viver numa residência depende muito do quanto nos abrimos a ela. Pessoalmente, encontrei na residência colegas do mesmo curso, e do mesmo ano até, o que acabou por facilitar às vezes o estudo. Para mim uma das vantagens de uma residência é a nível financeiro, sendo aluno bolseiro, a mensalidade torna-se bastante acessível, comparando com alugar quartos com outras pessoas, para não falar que temos certos direitos numa residência, como muda semanal de roupa de cama e toalhas. Mas o ambiente entre os colegas de residência faz muita diferença, não iria para um apartamento com apenas outras 2 ou 3 pessoas.
3) As residências nem sempre podem ter instalações Top e tudo a funcionar bem, comparando, se calhar, a arranjar um ou outro apartamento, mas acho que de certo modo, é bom não termos tudo à mão de semear, porque nos faz dar valor às coisas quando não as temos, o que nos ajuda a crescer. Pode às vezes haver malta que não respeita as regras, ou colegas de quarto não tão bons, mas é isto tudo que acaba por nos dar uma experiência e perspetiva diferente das coisas.
4) Sim, recomendaria, nem que fosse apenas um ano. Acho que a experiência em si, de estar numa residência universitária, poderia ajudar essas pessoas a crescer, quer a nível pessoal, quer a nível social. Falo por mim, uma vez que entrei aqui como um rapaz tímido, e que hoje sou muito mais desinibido no que toca a ser social. E pertencendo à comissão de residentes, adquiri certas competências que se calhar não iria adquirir noutros lugares.

Fábio André Silva Pereira, Esmoriz, 8ª matrícula, 4º ano residente (Complexo Residencial de Santiago)

1 - Viver numa residência, mais concretamente na Universidade de Aveiro, é uma experiência muito enriquecedora, onde apesar de ter um quarto para mim, vivo com mais de 40 pessoas na mesma "casa". Aqui, conseguimos encontrar estudantes de todos os cantos do globo. A partilha está presente todos os dias durante esta aventura, como por exemplo, numa simples refeição.
2 - A partilha de experiências entre os residentes e a capacidade de viver em comunidade são as principais vantagens de viver numa residência. A multiculturalidade existente nas residências permite-nos conhecer novas pessoas e experienciar novas culturas e novas gastronomias. A proximidade também é uma grande vantagem, visto ficarem no Campus.
3 - Para mim, a única desvantagem de viver numa residência, é quando encontras estudantes que não sabem viver em comunidade, porque tudo o resto serão desafios que facilmente serão superados.
4 - Recomendo, uma vez que a Universidade de Aveiro, mais especificamente os SASUA, oferecem todas as condições necessárias para que os alunos que estão longe de casa se possam sentir o mais em casa possível. Tendo acesso a muitos serviços, como lavandaria, sala de estudo e cozinha. As residências são sem dúvida um bom lugar para viver durante a vida académica.

Chaoyue Hou, China, 3ª matricula, 3º ano residente (Complexo Residencial de Santiago)

Para uma estudante internacional, a vivência na residência da UA é uma experiência inesquecível na sua vida universitária. Nem todos se habituam bem a viver num país estrangeiro e a comunicar com uma língua não-materna logo que chegam. Os estudantes devem usufruir desta oportunidade para fazer amizades e conhecer a cultura local. A segurança toma o primeiro lugar quando a gente vive fora do nosso país próprio. O Alojamento da UA oferece um ambiente confiável e seguro para todos os moradores. De manhã até à tarde, nos dias úteis e nos feriados, os guardas-seguranças passam pelo Campus e pela ponte, que conduz à Residência do Crasto, tomando conta de todos, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Deve exprimir-se agradecimento àqueles senhores.
Como uma estudante chinesa, que tem estudado na UA por 3 anos, conheço muitos amigos após participar nas atividades realizadas pela universidade e pelas associações. Relativamente à vida na UA, não há nenhuma dúvida que é totalmente diferente do que nas universidades da China. Antes de chegar, tinha estudado língua portuguesa e vivia no nosso dormitório por 2 anos. A China é um país tão gigante e possui uma maior população que Portugal. Portanto, os estudantes chineses precisam de compartilhar quartos e partilhar beliches com outros. Tenho “dor de cotovelo” dos estudantes da UA porque a Universidade oferece quartos individuais, dos quais eu gosto muito. Mas eu sei que o desenvolvimento na China está com uma velocidade e as nossas Universidades poderão oferecer mais quartos individuais a mais pessoas. Nas residências da UA, os estudantes podem fazer comida aos seus gostos, até mesmo, por exemplo, realizar uma festa para celebrar um aniversário junto. Na China, os dormitórios são só um local para dormir, estudar e divertir-se, os estudantes não podem cozinhar, então podem ir às cantinas ou aos restaurantes.
Sobre as cantinas, no Pólo duma universidade pelo menos há duas cantinas e um restaurante: uma para pratos normais e outra para as pessoas quem não podem comer comida específica, por exemplo, as pessoas crentes que não comem carne de suíno. Para os vegetarianos, não se preocupem, podem escolher ao vosso gosto os pratos dentro da cantina. Os pratos são variados e económicos, são pratos deliciosos: petiscos de Beijing, Rougo de Xi'an, Hot Pot de Chongqing, Bubble Tea de Taiwan, Tokoyaki do Japão etc.. Esta variedade de refeições é a vantagem das nossas cantinas em relação às cantinas portuguesas.
Depois de tomar a refeição, os estudantes chineses podem ir estudar à Biblioteca ou ir buscar água quente para beber. Passar pelos mercados ou lojas: loja de fruta, de petiscos, de roupa, para imprimir etc., onde vendem artigos e oferecem os serviços necessários. Assim os estudantes não precisam de comprar carrinhos para fazer compras, ou aparelhos que servem para cozinhar.
Quanto à limpeza diária, as senhoras limpam os espaços públicos, e os estudantes limpam os seus quartos, o que acontece tanto na China como em Portugal. Com a ajuda das amigas da Residência em Portugal, fizemos uma lista para manter nosso espaço comum sempre limpo. As funcionárias responsáveis pelas Residências da UA são pessoas simpáticas, e mesmo estando muito ocupadas, estão sempre disponíveis para nos auxiliar e ouvir as nossas sugestões.

ENDA Cascais 2018
ENDA Cascais 2018A Direção da AAUAv esteve presente no fim de semana de 1 e 2 de setembro, no Encontro...
Integra-te’18 – Vamos criar histórias inesquecíveis!
Integra-te'18 - Vamos criar Histórias Inesquecíveis!"E se um aguaceiro forasteiro beija um moliceiro, eu digo primeiro, Bem-vindo a Aveiro!"A Associação...
Festival Carmina Festana este sábado, 4 de Agosto, no GrETUA
Festival Carmina Festana este sábado, 4 de Agosto, no GrETUACom o Verão a chegar e a subir as temperaturas, aparece...
Candidatura a alojamento universitário para o ano letivo 2018/2019

Os estudantes (do 1º, 2º ciclo, mestrado integrado e TESP) da Universidade de Aveiro que pretendam candidatar-se ou recandidatar-se a alojamento universitário para o ano letivo de 2018/2019 têm de preencher o formulário de candidatura a alojamento a partir do dia 25 de junho.

footer_final-06
footer-07

univercidade@aauav.pt

Associação Académica da Universidade de Aveiro

Scroll Up